Para quem não possui experiência profissional, segue algumas dicas bastante úteis. Se, porém, você possui experiência, as dicas básicas iniciais também servirão muito bem e, ao final, separamos trechos especialmente para você!

Mesmo estando em início de carreira, o estudante e o profissional recém-formado devem ter os mesmos cuidados de um profissional ao elaborar o seu currículo. O currículo deve enfatizar o seu potencial, mencionando os conhecimentos que adquiriu durante a fase de faculdade.

Utilize palavras que se identifiquem às habilidades que você aprendeu ou utilizou na universidade ou no trabalho, e destaque cada conquista obtida até o momento. Por exemplo, se o seu trabalho de conclusão do curso estiver relacionado com a área de seu interesse, mencione esta informação no currículo.

Inicie o documento com seus Dados Pessoais e Dados de Contato (endereço, telefone e e-mail). Em seguida, mencione o seu objetivo profissional, deixando clara a área de atuação de seu interesse, mas não corra o risco de utilizar uma declaração inadequada, como esta: “Procuro uma posição desafiadora, que permita que eu atualize os meus talentos, com bom potencial para crescimento profissional e salário compatível com as minhas habilidades”.

O próximo campo é o Resumo de Qualificações, onde você deve mencionar as habilidades que adquiriu na universidade, mostrando com o que está apto a atuar.

Os seguintes itens são Formação Acadêmica e Idiomas. Para estágio é particularmente importante destacar sua formação acadêmica em curso, pois é essencial para seleção. Algumas informações como escola de primeira linha e idiomas fluentes são utilizados como critério de seleção, portanto, são características que merecem destaque no currículo.

O passo seguinte é informar sobre a sua Experiência Profissional. Caso nunca tenha trabalhado, poderá substituir o termo “experiência profissional” por “resumo de qualificações”; também valorize o currículo incluindo atividades não-remuneradas, estágios, projetos especiais, pesquisas e trabalhos voluntários, de forma que desperte o interesse do empregador de alguma forma.

Itens como prêmios, honrarias, citações, bolsas escolares e nomeações pertencem ao item Atividades Extra-curriculares ou Destaques. Use a ordem cronológica invertida, da mais recente à mais antiga informação.

Os Cursos Complementares voltados à área de seu interesse devem ser mencionados no final do currículo.

A falta de experiência profissional é o maior obstáculo enfrentado por estudantes e profissionais recém-formados, especialmente aqueles que não estavam empregados antes de deixar a universidade, pois alguns empregadores são relutantes em contratar novatos, temendo que eles careçam de experiência para se tornarem imediatamente produtivos. Por este motivo, o currículo deve enfatizar a sua dedicação, os seus objetivos, seu comprometimento e suas expectativas, sempre realistas.

Se você tem experiência, pinte um retrato coerente das suas experiências no currículo

O ideal é esquematizar um bom retrato de como foi sua trajetória, lembrando de adequar seu currículo à área de cada vaga. Faça isso filtrando o que não é relacionado.

“É interessante que o candidato coloque as experiências e atividades que mais tenham a ver com seu objetivo. Por exemplo, se busca uma oportunidade como vendedor, seu estágio como auxiliar administrativo não fará, necessariamente, muita diferença”, esclarece a recrutadora.

Ainda de acordo com Marília, o candidato pode fazer apenas um resumo das funções que exerceu anteriormente no currículo.

A principal preocupação deve ser que todas as experiências no currículo sejam coerentes com a vaga a que a pessoa se candidata. Isso deve ocorrer não só para que o candidato mostre e reafirme seu foco profissional, mas também porque o recrutador não tem tempo para realizar a leitura de cada item de um longo currículo.

Por isso: “seja breve, independentemente da quantidade de experiências profissionais”, diz a especialista. “O currículo normalmente antecede uma entrevista, na qual você terá a oportunidade de explicar melhor sobre suas experiências”, acrescenta.

A entrevista é a ocasião para aprofundar, e aí o candidato “deve ter na ponta da língua as atividades desempenhadas na função, e, se saiu do cargo, o motivo”. E, se está empregado, “qual a razão que o leva a buscar outra oportunidade”. Lembre-se: o que é descrito no currículo serve como o primeiro contato do recrutador com sua história. Na entrevista, fundamentará a conversa a ser desenvolvida.

Para quem pensa em se aperfeiçoar para tornar o currículo mais vistoso, vale a pena pensar em como aquela experiência enriquecerá seu currículo em relação ao seu campo de atuação. Segundo Marília, “procure atividades com as quais você se identifica e que irão como um todo agregar à  sua formação profissional”. Uma boa opção, por exemplo, seria realizar cursos pertinentes à formação e à área em que o candidato deseja trabalhar.

Não se preocupe: não é simplificar sua jornada no currículo que vai te impedir de conseguir a vaga.

Além do breve compilado das experiências e atividades relacionadas à área que objetiva, é importante que o candidato apenas acrescente informações que possam “ser explicadas na entrevista”. Ou seja, o melhor é ser honesto quanto às habilidades e experiências no currículo.

Por mais inocentes que pareçam, as mentiras “são facilmente reconhecidas, se não na entrevista, no início das atividades”, diz Marília. E elas podem ser decisivas na sua eliminação de qualquer processo seletivo.

Fonte:

Open chat